About Curinga

Curinga
Curinga

“To travel is to discover that everyone is wrong about other countries.” – Aldous Huxley

Preciso viajar. Preciso viajar para ver com os meus olhos e andar pelos meus pés e não ter de imaginar o mundo. Quando viajamos nunca deixamos as nossas lentes em casa. São a nossa educação, os nossos medos, os nossos desejos, são filtros que moldam a nossa realidade. É inevitável e ajuda a dar um sentido ao que vemos. Daí ser importante viajar com os nossos conhecimentos na mala mas deixarmo-nos surpreender, questionar e questionarmo-nos, sempre. Viajo porque é um constante estado de desassosego – as rotinas são um doce veneno cujo único antídoto são os desafios. Viajo porque duvido e quando o faço uso outras lentes, as da fotografia, para não me esquecer. Se viajar é olhar e absover novas realidades, fotografar é a arte de observação que grava esse momento em nostalgia instantânea.

Cada foto é única e conta uma história de cenários, actores e contextos que não se repetem. A fotografia ultrapassa a realidade e capta todas as subtilezas e pormenores. É um passado tornado eterno, são fragmentos de história eternizados numa moldura. As interpretações das imagens podem ser tão distintas quanto os motivos por detrás da lente, daí que observar estas imagens estáticas, tal como viajar, necessite sempre de muitas questões e poucas certezas. E na dúvida, vão sempre ver com os vossos olhos!

O Curinga é uma consequência da adaptação destas realidades ao meu olhar, com as minhas lentes. Quem tanto nos levou a navegar e imaginar disse que “A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos não é o que vemos, senão o que somos!”. Aqui são também partilhas de outros lugares e pessoas, de culturas e viagens, fotografias e histórias. Faço-o sobretudo para mim, para não esquecer e porque as memórias, tal como a vida, parecem sempre tão mais interessantes nas palavras que se contam do que naquelas que se vivem. Nesta entrevista, há um pouco mais de história sobre a mudança para a China (desde 2013) e dos primeiros passos do Curinga.

“Like all great travelers, I have seen more than I remember, and remember more than I have seen.” – Benjamin Disraeli